O que fazer para reduzir o turnover

O que fazer para reduzir o turnover
30/06/2021

É muito comum, hoje em dia, encontrarmos empresas com alta rotatividade de funcionários, ou seja, um alto índice de contratação e demissão. Batizaram esse índice de “turnover”. Sei que esse assunto é um grande desafio para muitos empresários e profissionais da área de Recursos Humanos. Imagino o quanto pode não parecer tarefa fácil desenvolver estratégias para reduzir esses índices ou tornar a corporação um ambiente mais agradável para se trabalhar, mas é possível desenvolver ações práticas que possam colaborar para a tão sonhada redução de turnover.

Gosto de alertar que a crescente rotatividade de colaboradores em sua empresa pode ser um sinal de que chegou a hora de mapear o que há de errado e começar a pensar em ações que ajudem a manter seus funcionários motivados no ambiente de trabalho e, consequentemente, mantê-los por mais tempo na sua corporação.

Vamos entender melhor porque é tão importante para a sua empresa ter esse índice cada vez mais baixo. Ou seja: por que a redução de turnover é importante?

Afirmo que, além de beneficiar a reputação da empresa no mercado, manter os colaboradores motivados por mais tempo é um benefício para a própria empresa. Existem diversos pontos positivos na permanência dos colaboradores em sua empresa e um dos principais é que o colaborador novo leva um tempo para estar alinhado à cultura da empresa. Um colaborador da casa já está acostumado com os princípios e objetivos – isso é um fator muito relevante. Sua empresa obtém mais sucesso quando é constituída por uma cultura sólida e, quando os colaboradores correspondem e compartilham dessa cultura, fica ainda mais fácil. Além disso, sabemos que os custos com contratação e demissão de funcionários, quando são recorrentes, são prejudiciais ao caixa.

Vou apresentar, a seguir, algumas ações – simples e eficazes – para reter talentos e evitar prejuízos na sua empresa:

Projeção

É muito importante estar preparado tanto para um futuro favorável quanto para as crises que sua empresa possa vir a enfrentar. Fazer projeções pessimistas sempre é mais seguro, assim evitamos surpresas negativas. Vale a pena lembrar que todo dia pode surgir uma mudança e essa pode afetar o histórico e a projeção de sua empresa. Por isso, é preciso conhecer, com antecedência, as despesas e as receitas para garantir a sustentabilidade do seu negócio. Essas informações são fundamentais para a contratação de novos funcionários. Quero destacar também que o clima organizacional – a visão coletiva que os colaboradores têm da empresa – merece atenção. É preciso promover um ambiente inclusivo, onde todos se sintam acolhidos e confortáveis.

Contratação Sob Demanda

Além de ser interessante estabelecer processos simples de contratação, que sejam capazes de filtrar talentos de acordo com as expectativas de sua empresa, essas contratações devem ocorrer quando realmente existir demanda, quando essa necessidade não puder mais ser adiada. Não se deve contratar baseado em “achismos”: “talvez, eu precise de mais um colaborador”. Também não se deve contratar um funcionário sem caixa suficiente para mantê-lo na empresa, acreditando que esse novo integrante da equipe vai trazer renda para a empresa arcar com o salário dele. Aqui, aproveito também para registrar que o processo seletivo é uma ótima oportunidade para esclarecer todas as dúvidas do futuro colaborador e também para explicar todos os pontos sobre as suas atividades, carga horária, remuneração etc. Aprimorar o processo de contratação e torná-lo mais assertivo também é um passo significativo para diminuir o turnover da organização. Isso porque você passará a contratar colaboradores que realmente precisa e estão qualificados para realizar as funções que a vaga exige.

Equipe formada por Pessoas Jurídicas

Em diversas áreas econômicas, as relações de trabalho são através de pessoas jurídicas: uma empresa contrata outra empresa para prestação de serviços, não mantendo vínculo empregatício com os profissionais que atuarão em seus projetos. Ao meu ver, essa relação de trabalho é vantajosa tanto para empresa quanto para o profissional, além de bem menos burocrática. Não existem encargos na “contratação” nem no desligamento. Mesmo recorrendo a novos colaboradores via MEI, você pode e deve escolher os profissionais que melhor atendem as necessidades e compartilham dos valores de sua empresa.

A criação do modelo de empresa Micro Empreendedor Individual (MEI) foi feito especificamente para ajudar a formalizar a atividade profissional de muitos indivíduos que trabalhavam de forma informal e não contavam com assistência do Estado. Através da MEI, com o pagamento de uma taxa pequena por mês, esses profissionais estão registrados com CNPJ e incluídos em diversos benefícios sociais. Inclusive, acredito que a MEI é uma grande tendência e, no futuro, promete reduzir a taxa de desemprego.

Jovens Aprendizes

Contratar colaboradores mais jovens e menos experientes, sejam recém-formados ou estagiários, pode ser positivo para a sua empresa, principalmente, quando se deseja ajudar a formar profissionais vocacionados e bem adaptados às funções que vão exercer. Esses ganharão experiência nas atividades do dia a dia e as desempenharão da forma que sua empresa ensina. Geralmente, além de terem muita vontade de aprender, são mais espontâneos, o que contribui muito para exercerem suas tarefas com criatividade e prazer. Além do investimento ser menor (salários de profissionais iniciantes), a capacidade de adaptação do jovem tende a ser maior. Nesse tópico sobre jovens aprendizes, preciso registrar que o recém-formado ou o estagiário só conseguem participar bem do cotidiano da empresa porque contam com os ensinamentos e o apoio dos profissionais mais experientes, figuras que se transformam em verdadeiros professores dessa turma mais jovem. Além disso, para os estagiários – que enxergam essa oportunidade como parte adicional da sua formação universitária – a empresa deve oferecer orientações para a sua evolução profissional. Sua empresa pode inclusive disponibilizar um profissional “orientador” que, além de mais experiente, exerça atividades relacionadas ao tipo de curso que o estagiário está fazendo.

Gostaria ainda de acrescentar que, caso você deseje de verdade diminuir o turnover em sua empresa, além das dicas acima, é necessário criar e incentivar a cultura do feedback. É importante que os gestores saibam passar feedbacks construtivos para os colaboradores e entendam o peso que essa prática tem na satisfação em geral. É o que permite que todos conheçam seus pontos positivos e negativos para minimizar incertezas e ansiedades na busca do aprimoramento de suas funções.

Turnover alto, nunca mais!  Agora que você já sabe como reduzir esse índice, que tal fazer uma avaliação e tentar colocar essas dicas em prática, na sua empresa?

Emerson Carrijo

CEO, C&M and Vocom Brasil Group

VP Sales myhive

• 18 anos de experiência em tecnologia de comunicação

• 12 gestão de vendas e financeira

• Investidor, empreendedor. Acredito que quem realmente quer, consegue.

• Especialista em expansão e capilarização empresarial na América Latina e Ásia.

•  Acesse o linkedin de Emerso Carrijo

Categories: Business, gestão
Share us on: